A lordose, ou lombalgia equina é considerada uma causa bem importante para queda no desempenho de cavalos e até mesmo a sua aposentadoria dependendo da gravidade.

A coluna denominada toracolombar é composta por 18 vértebras torácicas, 6 vértebras lombares e 5 vértebras sacrais fundidas, sua estabilidade é devido aos ligamentos, e aos músculos presentes ao redor, e é nesta região que ocorre a lordose equina.

lombar

As alterações mais prováveis de acontecerem são: Má formação congênita (alterações devido a histórico familiar), fraturas e doenças degenerativas das estruturas envolvidas.

Primeiramente é feito um estudo de todo o histórico do animal, para analisar se não obtém alguma co-relação com alterações genéticas provindas da família, ou algum caso de queda. O exame deve ser feito por um profissional especializado, uma vez que pela grande estrutura do animal, realizar o exame fica extremamente difícil e trabalhoso.

Existem vários níveis de lordose equina, e por isso devemos ter TOTAL atenção para esta doença, que pode chegar silenciosa e progredir de maneira bem drástica, como esta foto que tem circulado pelas redes:

lordose equina

Alguns sinais podem ser identificados como:

  • Ranger de dentes
  • Alterações na forma de andar
  • Afundamento na região de apoio de sela
  • Passos longos
  • Claudicações sem alterações nos membros
  • PRINCIPALMENTE: QUEDA NO DESEMPENHO 

Apesar de não serem sinais específicos, são bem chamativos.  E, o diagnóstico final se dá por avaliação dos sinais clínicos, somado a alterações no desempenho junto com imagens radiológicas sobre o caso em si; pode ser feito também a associação de ultrassom com termografia.

lordose equina

O tratamento a ser feito normalmente é de suporte, e deve ser acompanhado e feito por um Médico Veterinário. Cada caso tem seu tratamento e sua forma de alivio da dor.

LEMBRANDO QUE ESTA DOENÇA DEVE SER TRATADA COM EXTREMA IMPORTÂNCIA, E QUE CADA CASO É UM CASO.

Fonte: Lombalgia em equinos – Acta Veterinaria, v.5, n.4, p. 359-363, 2011